English version

Programa FAPESP de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Globais - Chamada de Propostas de Pesquisa 2017

Programa FAPESP de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Globais (PFPMCG)  

Chamada de Propostas de Pesquisa - 2017

“Mudanças Climáticas: Adaptação e Mitigação”

Data limite para submissão: 25 de setembro de 2017 
Modalidade de fomento: APR, Temático, JP e SPEC
Duração máxima dos projetos: Até 60 meses, conforme a modalidade escolhida
Eligibilidade: Conforme a modalidade escolhida 
Submissão: via SAGe

Índice

1. Fundamentos
2. Objetivos
3. Áreas de interesse
4. Modalidades
5. Elegibilidade
6. Jovens pesquisadores do exterior
7. Pesquisadores experientes do exterior
8. Duração
9. Apresentação
10. Atividades especiais
11. Propriedade intelectual
12. Recursos financeiros
13. Orçamento
14. Submissão
15. Cronograma
16. Informações suplementares
Anexo - Instruções para submissão



1. Fundamentos

A recente 21ª Conferência das Partes (COP-21) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), realizada em Paris em 2015, resultou em um acordo sem precedentes. Todos os países membros se comprometeram a tomar medidas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e assim atenuar os impactos das mudanças climáticas. O Acordo de Paris é um marco para a Ciência, pois mostra que os governos em todo o mundo reconheceram o consenso científico sobre a Física da Mudança Global. Os objetivos do Acordo de Paris estão definidos em seu artigo 2:

a) "Manter o aumento da temperatura média global 2°C abaixo dos níveis pré-industriais e prosseguir com os esforços para limitar o aumento da temperatura a até 1,5°C acima dos níveis pré-industriais, reconhecendo que isto irá reduzir significativamente os riscos e impactos das mudanças climáticas;

b) Aumentar a capacidade de adaptação aos impactos adversos das mudanças climáticas, promover a resiliência climática e o desenvolvimento baseado em baixas emissões de gases de efeito estufa, de maneira a não ameaçar a produção de alimentos;

c) Tornar os fluxos financeiros consistentes com o caminho do desenvolvimento baseado em baixas emissões de gases de efeito estufa e na resiliência climática”

Na COP-21 os países participantes também apresentaram suas ações de mitigação através de intenções de Contribuições Determinadas em Âmbito Nacional (intended Nationally Determined Contributions - iNDCs). Os países participantes estabeleceram suas iNDCs no contexto das suas prioridades nacionais, conjunturas e competências, considerados os objetivos do Acordo de Paris. Em sua iNDC, o Brasil se compromete a reduzir, até 2025, as emissões de gases de efeito estufa a 37% abaixo dos níveis de 2005, com uma intenção posterior de reduzir, até 2030, as emissões de gases de efeito estufa a 43% abaixo dos níveis de 2005.

O Brasil pretende adotar as seguintes ações:

a) Na matriz energética, aumentar a quota de biocombustíveis sustentáveis brasileira para cerca de 18% até 2030;

b) No setor florestal e de mudança do uso da terra, atingir índice zero de desmatamento ilegal na Amazônia até 2030 e compensar as emissões de gases de efeito de estufa provenientes da supressão legal da vegetação em até 2030. Restaurar e reflorestar 12 milhões de hectares de florestas até 2030;

c) No setor energético, atingir 45% de fontes renováveis ​​na matriz energética em 2030, expandindo a participação de fontes renováveis outras que a geração hidrelétrica na matriz energética para entre 28% e 33% em 2030, com aumento das frações das gerações eólica, solar e de biomassa. Obter também um acréscimo de 10% no ganho de eficiência no setor elétrico até 2030;

d) No setor agrícola, fortalecer o programa “Plano de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono” (Plano ABC), restaurar 15 milhões de hectares adicionais de pastagens degradadas até 2030 e alcançar 5 milhões de hectares de sistemas de integração lavoura-pecuária-florestas (iLPF) até 2030;

e) No setor industrial, promover novos padrões de tecnologias limpas e ampliar as medidas para eficiência energética e a infraestrutura de baixo-carbono;

f) No setor de transporte, ampliar as medidas de eficiência e melhorar a infraestrutura para os transportes, incluindo o transporte público em áreas urbanas.

Não obstante as ações de mitigação planejadas pelo Acordo de Paris, as sociedades humanas precisarão aprender a se adaptar a um planeta mais quente. Mesmo que a humanidade consiga limitar o aquecimento global a 2 o C, haverá impactos regionais significativos, particularmente nos trópicos e em altas latitudes. Tudo indica que o Brasil será um dos países mais afetados pelo aquecimento global. As previsões atuais apontam mudanças importantes em biomas como Amazônia, Caatinga e Cerrado. Por isso é importante envolver a comunidade científica de São Paulo em estudos científicos que tratem dos prováveis impactos da mudança global no Brasil e das opções de adaptação.

Para atingir os ambiciosos objetivos da sua iNDC, o Brasil precisa adotar políticas públicas bem fundamentadas com uma base científica sólida. Para isso, precisará preencher as lacunas no conhecimento científico em muitas áreas direta ou indiretamente relacionadas às ações nacionais de mitigação. A FAPESP pretende apoiar estudos que forneçam uma base para o estabelecimento de políticas sólidas em mudanças climáticas e assim possam levar a resultados positivos.

Por estes motivos, o Programa FAPESP de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Globais (PFPMCG) lança uma chamada para projetos de pesquisa direcionada a temas relacionados à mitigação e adaptação às mudanças climáticas. Acreditamos que as questões científicas nas áreas de mitigação e adaptação não estão restritas ao escopo do iNDC brasileiro e envolvem áreas de conhecimento diversas, como Saúde Pública, Planejamento Urbano, Segurança Hídrica e Alimentação, Transporte e Desigualdades Sociais.

As questões de mitigação e adaptação cobertas por esta chamada de propostas correspondem às questões abordadas nos Grupos de Trabalho do IPCC (WGII e WGIII). O WGII avalia a vulnerabilidade dos sistemas socioeconômicos e naturais às mudanças climáticas, as consequências negativas e positivas das mudanças climáticas e as opções de adaptação a elas. Também leva em consideração a inter-relação entre vulnerabilidade, adaptação e desenvolvimento sustentável. O WGIII avalia as opções para mitigar as alterações climáticas através da redução de emissões de gases de efeito estufa e para incentivar as atividades que os removam da atmosfera. Os principais setores econômicos são considerados, tanto em curto como em longo prazo. Esses setores incluem Energia, Transporte, Edificações, Indústria, Agricultura, Florestas e Gerenciamento de Resíduos.


2. Objetivos

O objetivo desta chamada de propostas é financiar pesquisa básica e aplicada de alto nível, desenvolvida por cientistas do Estado de São Paulo, para obter sólida base científica em ações e políticas a serem desenvolvidas pelo governo brasileiro, pelo setor privado e pela sociedade em geral, a fim de se adaptar aos efeitos da mudança climática contribuindo com a redução ou sequestro de gases de efeito estufa no Brasil. Propostas que avaliem os possíveis impactos de um clima com maior frequência de eventos extremos, por exemplo mais quente ou com menos disponibilidade de fontes de água limpa, no Brasil, também são bem-vindas nesta chamada.

Assim, a FAPESP pretende contribuir para as necessárias transições do Brasil para uma economia de baixo carbono. Embora o Brasil tenha alcançado uma grande redução nas emissões decorrentes da mudança do uso da terra e no desmatamento, as emissões dos setores de Energia, Agricultura, Transporte e Indústria cresceram substancialmente nos últimos 20 anos. As previsões atuais indicam que as emissões desses setores podem representar até 70% do total de emissões até 2030. O Brasil precisa continuar a progredir na redução das emissões decorrentes do uso da terra, produção e uso de energia e da agricultura. No entanto, sem avanços expressivos em todos os setores, o Brasil não efetuará a transição para uma economia de baixo carbono. Além disso, muitas das ações de adaptação necessárias para reduzir os impactos de um planeta mais quente sobre a sociedade brasileira terão lugar nas cidades e no setor privado.

Nos últimos 20 anos, a FAPESP e outras agências de fomento têm contribuído para apoiar fortes grupos de pesquisadores que investigam as bases físicas das mudanças climáticas, principalmente nas Ciências da Terra. Em contraste, o número de pesquisadores que estão envolvidos nas questões de mitigação e adaptação ainda é pequeno em relação ao tamanho da base física e ao volume de questões científicas. Ao lançar uma chamada de propostas sobre temas de mitigação e adaptação a FAPESP espera induzir propostas de grupos multidisciplinares, incluindo especialistas em Ciências Sociais, Humanidades, Engenharias, Agricultura e Zootecnia, Arquitetura e Urbanismo e Ciências da Saúde.
 

3. Áreas de interesse

Propostas de alto nível sobre questões científicas relacionadas à mitigação, adaptação e impacto das mudanças climáticas globais nas seguintes áreas serão bem-vindas (os tópicos são listados em Inglês para facilitar a comunicação dentro de equipes multinacionais):

3.1. Temas relacionados à mitigação:

a) Integrated Risk and Uncertainty Assessment of Climate Change Response

b) Social, Economic and Ethical Concepts and Methods

c) Transformation Pathways for Sustainable Development and Equity

d) Energy Systems, Transport, Buildings and Industry

e) Agriculture, Forestry and Other Land Use (AFOLU)

f) Human Settlements, Infrastructure and Spatial Planning

g) Institutional Analysis and Governance

h) Options for supporting the implementation of Brazil iNDC

3.2. Temas relacionados a questões de impacto e adaptação:

a) Natural and managed resources and systems, and their uses, including: freshwater resources, terrestrial and inland water systems, coastal systems and low-lying areas, and ocean systems

b) Food security and food production systems

c) Human Settlements, Industry, and Infrastructure: Urban areas and Rural areas

d) Human Health, Well-Being, and Security

e) Equity, livelihoods and poverty.

f) Economics of adaptation

g) Multi-Sector Impacts, Risks, Vulnerabilities, and Opportunities

As propostas devem cobrir tópicos em pelo menos uma das áreas listadas em 3.1 e 3.2, mas não precisam ficar limitadas a elas. Recomenda-se que a apresentação ponha em evidência os desafios interdisciplinares da proposta e que destaque as principais competências que foram reunidas na equipe para enfrentá-los.

4. Modalidades de apoio

As propostas devem ser apresentadas nas seguintes linhas de fomento:

a) Auxílio à Pesquisa Regular (www.fapesp.br/apr)

b) Projeto Temático (www.fapesp.br/tematico)

c) Programa Jovem Pesquisador (www.fapesp.br/jp ou www.fapesp.br/en/yia)

d) São Paulo Excellence Chair Awards (SPEC)

Pesquisadores com vínculo empregatício a instituições de ensino e pesquisa ou instituições de pesquisa podem submeter propostas nas linhas Auxílio Regular, Projeto Temático ou Jovem Pesquisador. Pesquisadores de qualquer nacionalidade trabalhando em outros Estados ou países poderão submeter propostas para os Programas Jovens Pesquisadores ou São Paulo Excellence Chair Awards, conforme explicado a seguir.


5. Elegibilidade

As condições para participação nesta Chamada, que serão rigorosamente aplicadas, podem ser encontradas no portal da FAPESP (www.fapesp.br/apr, para Auxílio à Pesquisa Regular; www.fapesp.br/tematico, para Projeto Temático e www.fapesp.br/jp, para o Programa Jovens Pesquisadores).

a) As propostas devem ser apresentadas nas linhas de fomento: Auxílio à Pesquisa Regular, Projeto Temático, Programa Jovens Pesquisadores ou São Paulo Excellence Chair Awards. Aplicam-se as condições e restrições dessas linhas de fomento, excluindo-se aquelas restrições e condições explicitamente excepcionadas nesta Chamada de Propostas de Pesquisa;

b) As propostas de Auxílios à Pesquisa Regular e Projetos Temáticos devem ser apresentadas por pesquisadores com vínculo empregatício a instituições de ensino superior e de pesquisa, públicas ou privadas, no Estado de São Paulo;

c) As propostas do Programa “Jovens Pesquisadores em Centros Emergentes” devem envolver projetos a serem desenvolvidos em instituições de ensino superior e de pesquisa, públicas ou privadas, no Estado de São Paulo. Não é documento imprescindível para a submissão inicial de propostas nessa linha de fomento a manifestação de interesse da instituição de pesquisa onde o projeto será abrigado. Nesse caso, havendo análise preliminar favorável, o Pesquisador Responsável terá um prazo de 90 dias para apresentar o aceite da instituição de pesquisa onde o projeto será desenvolvido. Recebido o aceite e a comprovação de apoio infraestrutural, a FAPESP procederá à análise final da proposta;

d) Para o Programa Jovens Pesquisadores, poderão ser consideradas propostas enviadas por pesquisadores de qualquer nacionalidade residentes em outros Estados brasileiros ou no exterior que desejem desenvolver pesquisa no Estado de São Paulo. Durante a execução do projeto, o pesquisador deverá residir no Estado de São Paulo. Candidatos estrangeiros terão de apresentar cópia do visto permanente ou temporário compatível com a atividade proposta até a data de assinatura do Termo de Outorga.


6
Estímulo a propostas na modalidade Jovens Pesquisadores (www.fapesp.br/jp)

Jovens pesquisadores residentes em outros países são especialmente bem-vindos para apresentar propostas. A FAPESP está interessada em apoiar cientistas talentosos em início de carreira, oriundos do exterior para fazer ciência em São Paulo. Para apresentar propostas, os interessados precisam estar associados a instituições no Estado de São Paulo. A FAPESP se dispõe a auxiliar os pesquisadores interessados do exterior a encontrar instituições apropriadas no Estado de São Paulo. Potenciais candidatos são convidados a entrar em contato direto com os cientistas que lideram o Programa FAPESP de Pesquisa em Mudanças Globais, que fornecerão sugestões e orientações adicionais sobre a apresentação de chamada de propostas, ou enviar consulta para o endereço eletrônico: Chamada_PFPMCG_2017@fapesp.br.


7
. Estímulo a propostas na modalidade “São Paulo Excellence Chair Awards” ( SPEC )

A FAPESP tem muito interesse em receber propostas encaminhadas por pesquisadores experientes com carreiras de destaque desenvolvidas no exterior, no âmbito do programa São Paulo Excellence Chair Awards (SPEC). O programa SPEC objetiva criar núcleos de excelência em instituições de ensino e pesquisa do Estado de São Paulo.

Na fase inicial de elaboração da proposta, um representante da instituição paulista que se propõe a receber o pesquisador do exterior deve enviar para o endereço Chamada_PFPMCG_2017@fapesp.br consulta formal à Diretoria Científica da FAPESP sobre os procedimentos administrativos que devem ser adotados antes da submissão. O objetivo dessa consulta preliminar é abrir canal de comunicação entre a FAPESP, a instituição paulista e o pesquisador, que poderá abreviar a preparação de documentos.

As propostas nesse programa devem ser submetidas pelo pesquisador estrangeiro, que deverá associar-se a uma instituição paulista de ensino e pesquisa. O pesquisador deve assumir o compromisso de permanecer pelo menos 12 semanas (não necessariamente consecutivas) por ano, ao longo da duração do projeto, na instituição que o acolhe. A instituição deve demonstrar formalmente interesse em receber o pesquisador e responsabilizar-se pela sua manutenção financeira durante o período em que permanecer no País. O projeto será desenvolvido sob a corresponsabilidade de um Pesquisador Principal com vínculo empregatício à instituição hospedeira.

Os itens financiáveis são semelhantes àqueles do Projeto Temático (www.fapesp.br/tematico), dentre outros: bolsas para estudantes nas modalidades de Iniciação Científica (para alunos de graduação trabalhando em um projeto de pesquisa) e Doutorado Direto (alunos de pós-graduação indo diretamente da graduação para um projeto de doutorado, sem ter antes obtido um título de Mestre), bolsas de pós-doutoramento, equipamentos, material de consumo, viagens de campo e viagens do Pesquisador Responsável entre seu país de origem e a instituição em São Paulo.

Pesquisadores interessados residentes no exterior e com perfil adequado para essa modalidade de auxílio podem contatar os pesquisadores que participam do Programa de Pesquisas sobre Mudança Climática Global (PFPMCG), que fornecerão sugestões e orientações adicionais sobre a apresentação de chamada de propostas, através do endereço Chamada_PFPMCG_2017@fapesp.br.


8. Duração do Projeto proposto

a) Para propostas submetidas como Auxílio à Pesquisa Regular, a duração deverá ser de 24 meses.

b) Para propostas submetidas como Auxílio Jovem Pesquisador, a duração deverá ser de 48 meses.

c) Para propostas submetidas como Projeto Temático e SPEC, a duração deverá ser de 60 meses.
 

9. Apresentação do Projeto

9.1. O projeto deve ser preparado em Inglês, de acordo com os roteiros disponíveis no portal da FAPESP para cada modalidade pretendida, e incluir os documentos descritos nos itens 9.2 e 9.3. Recomenda-se que os proponentes descrevam claramente: o que pretendem fazer, por que desejam fazer, como planejam fazer, como saberão se tiveram sucesso e que benefícios serão obtidos caso o projeto tenha sucesso. O projeto todo não deve exceder 20 páginas, incluindo referências bibliográficas.

9.2. Documentação necessária

Além dos documentos exigidos para cada linha de fomento (ver os endereços apresentados na Seção 5, a proposta deve conter umSumário Executivo e um Plano de Gerenciamento de Dados, conforme discriminado abaixo:

9.2.1. Sumário Executivo (em inglês, máximo de 2 páginas)

9.2.1.1. Resumo do Projeto (uma página apenas):

a) Foco: a área focal do projeto, que deve ser uma das áreas de interesse descritas no item 3 desta Chamada;

b) Pergunta: a pergunta científica principal do projeto;

c) Contribuição: a principal contribuição científica do projeto;

d) Impacto: os impactos esperados do projeto em termos de políticas mitigatórias e adaptativas.

9.2.1.2. Conteúdo Interdisciplinar (uma página apenas)

a) Áreas prioritárias: as áreas prioritárias do projeto, identificadas com base nas áreas de conhecimento da FAPESP (www.fapesp.br/areas);

b) Excelência nas áreas prioritárias: para cada área de conhecimento envolvida no projeto, identifique o fundamento científico usado e como se relaciona ao estado da arte da área. Uma descrição breve deve ser apresentada para cada área;

c) Abordagem interdisciplinar: o projeto deve assinalar como o conhecimento das áreas principais será organizado e agregado para maximizar os avanços na pesquisa.

9.2.2. Plano de Gerenciamento de Dados (em inglês, máximo de 2 páginas)

Todas as propostas submetidas a essa Chamada devem igualmente incluir um Plano de Gerenciamento de Dados, em no máximo de 2 páginas. Esse plano deve descrever como a proposta irá se adequar à política de disseminação e compartilhamento de dados resultados adotada pelo Belmont Forum e pelo PFPMCG. Assim, todos os dados produzidos e utilizados nos projetos devem ser:

a) Acessíveis em catálogos e por mecanismos de busca;

a) Disponíveis como dados livres (open data) padrão e disponibilizados o mais imediatamente possível;

b) Compreensíveis, para uso por pesquisadores mesmo de fora da área de conhecimento dos dados;

c) Gerenciáveis e protegidos contra perda, mantidos em repositórios confiáveis, sustentáveis, para uso futuro

10. Compromissos e Benefícios Específicos do Programa de Pesquisas sobre Mudança Climática Global da FAPESP

O Programa FAPESP de Pesquisas sobre Mudança Climática Global promoverá workshops periódicos com presença obrigatória de todos os pesquisadores beneficiários envolvidos no Programa e, em alguns casos, contando com a participação de seus colaboradores e estudantes. Esses eventos constituem valiosa oportunidade para atualizar todos os envolvidos sobre a pesquisa conduzida na área e permitir acesso a novos dados e informações antes que sejam publicadas.

10.1. A Rede de Pesquisa do PFPMCG

Os projetos de pesquisa selecionados passam a integrar a Rede de Pesquisas em Mudanças Climáticas Globais, coordenada, por Comitê Executivo, formado por pesquisadores participantes de projetos selecionados designados pela FAPESP.

10.2. Compromissos dos pesquisadores participantes dos projetos selecionados no PFPMCG

O pesquisador coordenador de projeto selecionado assumirá os seguintes compromissos com o Programa:

a) Participação do pesquisador e demais participantes do projeto em workshops, seminários e reuniões científicas promovidas pela Rede;

b) Participação nas reuniões periódicas de avaliação do programa PFPMCG;

c) Concordância com uma política de dados aberta e transparente, na qual os participantes tornarão disponíveis dados e informações dos projetos de pesquisa para os demais participantes, depositando-os no Bando de Dados e Informações da Rede. Patentes resultantes desta chamada de propostas devem seguir os trâmites e normas já regulamentadas pelas Agencias de Inovação/NITs e FAPESP com base na Lei de Inovação Paulista;

d) Fornecimento regular de informação sobre os resultados dos projetos de pesquisa para fins de divulgação e comunicação.

10.3. Benefícios da associação ao Programa FAPESP de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Globais

Facilidades para supercomputação e modelagem, e disponibilização de cenários climáticos futuros. Os pesquisadores participantes de projetos selecionados terão tempo reservado para acesso ao supercomputador adquirido com recursos da FAPESP e do MCT e instalado no INPE. 


11. Propriedade intelectual dos resultados

Aplicam-se as disposições da Política para Propriedade Intelectual da FAPESP (Portaria PR 04/2011) (www.fapesp.br/pi).
 

12. Recursos destinados a esta chamada

O apoio financeiro total da FAPESP às propostas selecionadas nesta Chamada tem limite de 10 milhões de Reais, valor que compreende as quatro modalidades.

a) A adequação do orçamento proposto aos objetivos e a capacidade da equipe proponente constituem aspectos que receberão atenção especial na análise e seleção das propostas.

b) O orçamento proposto define o custo total da proposta, incluindo-se a Reserva Técnica (que depende da modalidade e é composta por Benefícios Complementares, parcelas para custos de Infraestrutura direta e institucional e provisões para importação - www.fapesp.br/rt). A FAPESP se reserva o direito de propor orçamentos menores do que os solicitados para algumas das propostas selecionadas.


13. Itens financiáveis

a) Os itens orçamentários financiáveis nessa chamada podem ser encontrados diretamente no portal da FAPESP (www.fapesp.br/apr, para Auxílio à Pesquisa Regular; www.fapesp.br/tematico, para Projeto Temático e Programa SPEC e www.fapesp.br/jp, para Programa Jovens Pesquisadores)

b) As solicitações de Auxílio à Pesquisa Regular podem incluir bolsas de Capacitação Técnica (TT) como item orçamentário vinculado conforme as normas vigentes para esta linha de fomento descritas em www.fapesp.br/137#4776.

c) As solicitações de Projetos Temáticos podem incluir bolsas de Capacitação Técnica (TT), Iniciação Científica (IC), Ensino Público (EP), Jornalismo Científico (JC), Doutorado Direto (DD) e Pós-Doutorado (PD) como itens orçamentários vinculados conforme as normas vigentes para esta linha de fomento descritas em www.fapesp.br/176#4603.

d) As solicitações de projetos do Programa Jovens Pesquisadores podem incluir bolsas de Capacitação Técnica (TT), Iniciação Científica (IC), Ensino Público (EP), Jornalismo Científico (JC), Mestrado (MS) e Doutorado Direto (DD) como itens orçamentários vinculados conforme as normas vigentes para esta linha de fomento descritas em http://fapesp.br/jp/#4507. Aos jovens pesquisadores ainda sem vínculo empregatício com a instituição na qual desenvolverão o projeto de pesquisa pode ser concedida Bolsa Jovem Pesquisador conforme descrito em www.fapesp.br/jp#4500.

e) Para o acompanhamento e análise das bolsas solicitadas, valerão as normas e procedimentos da FAPESP para cada modalidade de bolsa (IC, TT, EP, JC, MS, DD ou PD) solicitada como parte do orçamento dos projetos de pesquisa.

f) Em todos os casos acima os orientadores ou supervisores dos estudantes bolsistas deverão ser os Pesquisadores Responsáveis pelos Auxílios (Regulares ou do Programa Jovens Pesquisadores) ou Pesquisadores Principais dos projetos Temáticos ou SPEC aos quais se vinculam as bolsas.


14. Submissão das propostas

a) As propostas devem ser submetidas unicamente por via eletrônica utilizando o Sistema de Apoio a Gestão (SAGe) da FAPESP disponível no endereço www.fapesp.br/sage, conforme descrito no Anexo 1 a esta Chamada de Propostas. Não serão aceitas propostas apresentadas por outros meios.

b) A proposta deve ser submetida à FAPESP dentro do prazo estipulado no item 15 desta chamada. A submissão deve ser feita pelo Pesquisador Responsável, do Estado de São Paulo exceto nas modalidades Jovem Pesquisador e SPEC, que podem submetidas por proponentes de outros locais;

c) Submissões fora do prazo serão devolvidas, assim como não serão aceitos adendos ou esclarecimentos, a não ser aqueles explícita e formalmente solicitados pela FAPESP.


15. Cronograma

Evento

Datas

Publicação da chamada no portal da FAPESP

26 de junho de 2017

Última data para recebimento de propostas

25 de setembro de 2017

Publicação dos resultados

A partir de 26 de fevereiro de 2018


16. Informações suplementares

Os resultados finais serão divulgados no portal da FAPESP em www.fapesp.br e através de comunicado aos interessados.

Os Pesquisadores Responsáveis pelas propostas aprovadas e as autoridades máximas das instituições que as abrigarão devem assinar Termo de Outorga, que estipulará os prazos para entrega dos relatórios científicos e prestações de conta.

A concessão do apoio financeiro poderá ser cancelada pela FAPESP, por ocorrência, durante sua execução, de fato cuja gravidade justifique o cancelamento, a critério da Diretoria Científica da FAPESP, sem prejuízo de outras providências cabíveis.

Questões sobre esta Chamada de Propostas de Pesquisa devem ser enviadas por e-mail para Chamada_PFPMCG_2017@fapesp.br. Para atendimento mais eficaz, por favor, incluir “Chamada PFPMCG/FAPESP” no campo “Assunto” da mensagem. A pessoa de contato para esclarecimentos sobre esta Chamada de Propostas de Pesquisa é Alexandre Roccatto, Gerente de Área Científica da Diretoria Científica da FAPESP:

E-mail: Chamada_PFPMCG_2017@fapesp.br 



 


ANEXO - Instruções específicas sobre o uso do Sistema SAGe

OBS: Para a modalidade SPEC, favor consultar a FAPESP para instruções individuais.

1. É necessário que o Pesquisador Responsável pela proposta seja cadastrado no sistema SAGe:

(i) Pesquisadores que não possuem cadastro no SAGe devem inicialmente inscrever-se acessando a página do SAGe no endereço www.fapesp.br/sage, clicar em ”Sem cadastro?” e preencher os dados solicitados. Não basta apenas cadastrar-se como usuário, é necessário completar os dados cadastrais;

(ii) Pesquisadores do Estado de São Paulo, já cadastrados, devem realizar o login no SAGe com identificação e senha usuais para acessar a página inicial do sistema;

2. Na página inicial, selecionar, dentre as opções do menu “Acesso Rápido – Atividades do Pesquisador”, o link Nova Proposta Inicial;

3. O sistema disponibilizará na página seguinte o menu “Incluir Proposta – Selecionar Linha de Fomento”, selecionar o link Outras linhas de fomento;

4. Na sucessão de opções vai ser mostrado:

Programa de Inovação Tecnológica > PFPMCG >

5. Selecionar a opção desejada conforme a modalidade de Auxílio à Pesquisa de interesse (Jovem Pesquisador ou Regular ou Projeto Temático).

PFPMCG > Projeto de Pesquisa – Regular ou

PFPMCG > Projeto de Pesquisa – Temático ou

PFPMCG > Jovem Pesquisador

6. Ao confirmar a modalidade desejada, surgirá a opçãoMudanças Climáticas: Adaptação e Mitigação - Chamada de Propostas (2017), que deverá ser selecionada;

7. A partir daí, incluir os dados solicitados em todas as abas, inclusive a lista de documentos a serem anexados;

8. Atenção para a obrigatoriedade de preenchimento de todos itens marcados com “*“. É necessário submeter a proposta ao final do preenchimento. Proposta salva não significa proposta submetida. Ao submeter corretamente uma proposta será gerado um número de processo;

9. No caso de dúvidas, na página inicial do SAGe pode ser usado o link Manuais e, na página Manuais, buscar esclarecimentos na lista Manuais de Apoio aos Pesquisadores;

10. IMPORTANTE: Recomenda-se fortemente verificar periodicamente as pendências da proposta utilizando a opção "Validar" do SAGE. Isso pode ser feito repetidas vezes, à medida que a proposta for construída, permitindo que sejam tomadas em tempo as providências necessárias à submissão. Ao selecionar a opção “Validar”, o sistema SAGe apresentará as pendências impeditivas para submissão da proposta considerando os itens que foram inseridos. Em caso de dúvidas sobre a utilização do SAGE, além dos Manuais, a FAPESP disponibiliza ainda atendimento pelo Setor de Informações (+55 11 3838-4000).