Chamadas de Propostas

Chamada de Rápida Implementação UN-Research Roadmap COVID-19 English version

Sumário

Modalidade de Apoio:

Auxílio à Pesquisa Regular

Data limite para submissão:

02/08/2021

Duração máxima dos projetos:

24 meses

Contato:

Chamada-covid-2@fapesp.br

A Deutsche Forschungsgemeinschaft (DFG) disponibilizou link para página com projetos financiados pela agência em COVID-19 para facilitar a busca por potenciais parceiros alemães: https://www.dfg.de/en/research_funding/corona_information/index.html.


1. O que é?

A FAPESP lança uma segunda chamada em COVID-19 para financiar projetos em temas relevantes para a gestão e mitigação de impactos da pandemia de COVID-19 que não foram abordados pela comunidade de CT&I na primeira chamada (Suplementos de Rápida Implementação em COVID-19).

Esta chamada priorizará projetos colaborativos, com ênfase em parcerias transnacionais. Os projetos de pesquisa devem ser orientados a produzir conclusões e evidências científicas com potencial para influenciar ou nortear a proposição de políticas públicas (policy-oriented em contraposição a science-driven) em resposta a problemas como os identificados no UN Research Roadmap for the COVID-19 Recovery, que contou com a participação ativa da FAPESP. O Anexo 1 apresenta, a título de ilustração, perguntas e temas prioritários para uma agenda positiva de pesquisa direcionada às consequências da pandemia, de acordo com as Nações Unidas.

Considerando que vários dos temas de interesse são objeto de financiamento de outras agências de fomento no mundo, projetos colaborativos internacionais podem oferecer oportunidades de acelerar o desenvolvimento dos resultados e aumentar seu alcance. A cooperação internacional em pesquisa, por si só, é um dos eixos norteadores do UN Research Roadmap for the COVID-19 Recovery e será valorizada na análise dos projetos.

Esta nova chamada, de análise rápida, visa financiar projetos de pesquisa de curto prazo (24 meses) a serem coordenados, prioritariamente, em colaboração com pesquisadores já financiados em qualquer parte do mundo para a execução de projetos relacionados à pandemia de COVID- 19. Poderão também ser submetidas propostas sem vínculo com projetos em andamento, mas cuja equipe, coordenada por pesquisador vinculado a instituição de ensino ou pesquisa no estado de São Paulo, envolva esforços colaborativos para abordar o problema de investigação.

A chamada tem como objetivo, além de apoiar investigações relevantes, originais e de alta qualidade, favorecer práticas de investigação colaborativa em redes (de escopo internacional, nacional e/ou estadual). Núcleos de expertise serão organizados, após a seleção dos projetos, conforme a temática dos projetos aprovados, para facilitar a troca de experiência e indução da síntese de conhecimento, e proposta de políticas públicas. Pretende-se que os projetos compartilhem o andamento do estudo específico e os resultados em pelo menos três (3) reuniões que serão organizadas por um comitê científico de acompanhamento a ser definido pela FAPESP.

O financiamento FAPESP cobrirá custos de pesquisa conforme normas aplicadas ao Auxílio à Pesquisa Regular (www.fapesp.br/apr), com a excepcionalidade de permitir, adicionalmente, a solicitação de uma bolsa de pós-doutorado OU de uma bolsa de treinamento técnico (níveis TT1 a TT-5). A vigência destas bolsas será a mesma do auxílio aprovado na referida chamada.

A FAPESP apoiará os pesquisadores do estado de São Paulo, não estando prevista a suplementação de recursos para o pesquisador parceiro.

2. Para quem é?

Os critérios de elegibilidade para esta chamada são os mesmos requeridos aos proponentes de Auxílio à Pesquisa Regular, disponíveis em www.fapesp.br/apr, item 5.1.

Pesquisadores responsáveis contemplados na chamada Suplementos de Rápida Implementação contra COVID-19 não são elegíveis para submeter propostas nesta chamada.

3. Preparação da proposta

Caberá ao Pesquisador Responsável no estado de São Paulo identificar parceiros elegíveis (tanto no caso de projetos independentes, quanto no caso daqueles com vínculo a projetos em andamento) e definir um projeto conjunto.

Alguns recursos são sugeridos para facilitar a identificação de parceiros prospectivos com financiamento:

  1. A ferramenta de acompanhamento de projetos sobre COVID-19 do UKCDR e GLOPID-R: COVID-19 Research Project Tracker by UKCDR & GloPID-R

  2. A seguinte lista traz como exemplos, agências parceiras da FAPESP, com iniciativas nos temas de interesse dessa chamada, e que podem auxiliar na identificação de parcerias em potencial:

CNR – Itália

NSF – EUA

DFG – Alemanha

ESRC – Reino Unido

NRF – Coreia do Sul

NWO - Holanda

A lista de agências de fomento acima é apenas um recurso para identificação de parcerias: não há exigência de que parcerias sejam formadas com grupo de pesquisa financiado por uma delas. Algumas destas agências já dispõem de recursos para facilitar a busca de grupos de pesquisa com projetos relacionados à pandemia da COVID-19 (por exemplo, https://www.sshrc-crsh.gc.ca/about-au_sujet/facts-faits/index-eng.aspx).

Conforme descrito acima, a busca e o estabelecimento da parceria será de responsabilidade exclusiva do pesquisador responsável no estado de São Paulo.

Para propostas vinculadas a auxílios em andamento na FAPESP, o pesquisador parceiro precisará se cadastrar no sistema SAGe para que possa ser indicado como membro da equipe do auxílio em andamento, além de confirmar sua participação na proposta submetida na presente chamada. O cadastro, caso ainda não exista, deverá ser feito através da opção “Sem cadastro? ” na tela inicial do SAGe, sendo que todos os campos devem ser preenchidos, caso contrário o SAGe não permitirá a inclusão do pesquisador na equipe (Manual_SAGe_-_Cadastramento_de_Usuário_v2.9.pdf). Um sumário do projeto do pesquisador parceiro deverá ser incluído na proposta.

4. Como será o financiamento?

O financiamento ao Pesquisador Responsável do estado de São Paulo terá as características da modalidade Auxílio à Pesquisa Regular da FAPESP:

  • O valor total alocado pela FAPESP para essa chamada é de R$ 18,5 milhões.

  • Cada proposta poderá solicitar até R$ 300 mil (R$ 150 mil por ano) e deverá ter a duração de 24 meses.

  • Além do valor especificado para o auxílio, excepcionalmente nesta chamada, poderá ser solicitada uma Bolsa de Treinamento Técnico (em um dos níveis, de TT-1 a TT-5, conforme as necessidades do projeto e os requisitos para cada nível) ou uma Bolsa de Pós-Doutorado (PD), do tipo BCO – Bolsa como Item Orçamentário, cujo beneficiário será selecionado após a aprovação da solicitação - www.fapesp.br/2615, com duração máxima de 24 meses, observada a limitação de que o encerramento da bolsa ocorra simultaneamente ao encerramento do auxílio.

    • Devido à rápida implementação da proposta, a FAPESP dispensará o supervisor da Bolsa de PD dos trâmites usualmente exigidos para processo seletivo dos bolsistas, resguardada a necessidade de demonstrar, no Plano de Atividades do bolsista, o atendimento aos requisitos da FAPESP para esta modalidade de bolsa.

    • Para a solicitação de bolsas PD no projeto, serão mantidos os requisitos para a qualificação do supervisor (fapesp.br/bolsas/pd, item 6.2), exceto o item 6.2.c, que será provido pelo projeto submetido, se aprovado.

5. Como será a análise?

As propostas serão recebidas até o dia 10 de julho de 2021 e passarão pelas fases de habilitação e enquadramento. Na habilitação a FAPESP verifica a documentação submetida na proposta: propostas com documentação incompleta serão devolvidas e poderão ser submetidas novamente, desde que dentro do prazo limite para submissão (Cronograma item 6, abaixo). Na etapa de análise de enquadramento as propostas serão analisadas quanto ao atendimento às exigências da chamada: propostas não enquadradas serão denegadas e não poderão ser submetidas novamente.

As propostas habilitadas e enquadradas seguirão para análise de mérito científico. Essa análise será realizada, primeiramente, por pelo menos dois assessores ad hoc (ou externos). Os assessores emitirão pareceres individuais e a FAPESP os reunirá em comitês de avaliação, nos quais as propostas serão debatidas e como resultado, um novo parecer, este coletivo, será elaborado para cada projeto. Com base no conjunto de pareceres e em uma entrevista com os proponentes de projetos com avaliação inicial favorável, a Coordenação de Área e a Coordenação Adjunta da FAPESP farão uma recomendação final à Diretoria Científica, que emitirá a decisão final.

Serão valorizados projetos em parceria com projetos em andamento, bem como colaborações internacionais.

Não haverá solicitação de reconsideração para o resultado dessa chamada.

6. Cronograma:

Anúncio da Chamada

20 de abril de 2021

Webinário chamada Covid-19 – 2ª Edição

05 de maio de 2021, às 10h, no canal da Agência FAPESP no YouTube

Data-limite para submissão de propostas

02 de agosto de 2021

Anúncio dos resultados

Setembro de 2021


ANEXO 1

TEMAS PRIORITÁRIOS E SUGESTÕES DE PERGUNTAS

Sugeridos para orientar a formulação de propostas, inspirados no UN Research Roadmap for COVID-19 Recovery (https://www.un.org/en/pdfs/UNCOVID19ResearchRoadmap.pdf), sem prejuízo de outros que eventualmente atendam os objetivos da chamada.

TEMAS

1. SISTEMA DE SAÚDE

Exemplos de perguntas de pesquisa:

a. Como podem os sistemas de saúde ser desenhados de modo a serem responsivos, adaptáveis e acessíveis quando se tornam necessários?

b. Como podem os sistemas de saúde eliminar a desigualdade no acesso a serviços?

c. Como abordar a ocorrência simultânea de epidemias (Covid-19/ZIKA/tuberculose/ diabetes/gripes/, etc.)?

2. EDUCAÇÃO

Exemplos de perguntas de pesquisa:

a. Que políticas permitem que o acesso seguro à educação de qualidade seja garantido em situações de emergência?

b. Que políticas permitem reduzir o impacto das desigualdades sociais (ou promover equidade) no acesso à educação de qualidade em situações de emergência?

c. Que estratégias permitem reduzir os gaps de aprendizagem entre estudantes, promovendo a igualdade de oportunidades?

d. Como é possível reduzir a exclusão digital em um mundo crescentemente virtual?

3. INFRAESTRUTURA

Exemplos de perguntas de pesquisa:

a. Como pode o acesso a água de qualidade, saneamento e habitação segura ser mantida, em particular para populações marginalizadas, em situações de emergência?

b. Como é possível promover formas seguras de mobilidade para quem precisa se deslocar?

c. Como pode o ambiente construído ser desenhado de modo a maximizar oportunidades e salvaguardar o meio ambiente?

4. PROTEÇÃO SOCIAL

Exemplos de perguntas de pesquisa:

a. Que mecanismos permitem que a proteção social seja acessível a todas as pessoas que dela precisam?

b. Que políticas de recuperação econômica podem proteger os cidadãos e assegurar seu bem-estar?

5. ECONOMIA

Exemplos de perguntas de pesquisa:

a. Como pode a política macroeconômica promover uma recuperação econômica mais inclusiva e sustentável?

b. Como deve ser financiado o gasto público para viabilizar uma recuperação inclusiva e sustentável?

c. Como podem os governos obter maior coerência entre as medidas fiscal, monetária, do mercado de trabalho e desenvolvimento, minimizando externalidades negativas?

6. COESÃO SOCIAL E RESILIÊNCIA DAS COMUNIDADES

Exemplos de perguntas de pesquisa:

a. Como podem os esforços de recuperação colaborar para eliminar desigualdades sociais pré-existentes, de modo a fortalecer a resiliência das comunidades?

b. Como devem as comunidades ser engajadas no processo decisório, de modo a fortalecer a coesão social?

c. Que estratégias podem promover coesão social e engajamento no processo decisório e que características devem ter?

d. Que estratégias favorecem a identificação de necessidades das comunidades (incluindo a voz de seus membros)?

e. Como maximizar os efeitos positivos de ações que a comunidade pode e tem tomado para proteger seus membros?

7. COMUNICAÇÃO

Exemplos de perguntas de pesquisa:

a. Quais as características de uma comunicação efetiva, que impacta a percepção e a atuação das pessoas?

b. Como assegurar engajamento e adequação contextual e semântica da comunicação com diferentes segmentos da população?

c. Como reduzir o impacto de fake news e teorias conspiratórias, que competem com respostas eficazes de enfrentamento da pandemia?

8. GOVERNANÇA

Exemplos de perguntas de pesquisa:

a. Que fatores podem contribuir para o estabelecimento de relações entre lideranças públicas, gestores, autoridades sanitárias, grupos técnicos e a comunidade?

b. Como estabelecer processos decisórios que conduzam a boas respostas à situação de crise, tanto na pandemia quanto em outras situações de emergência?

c. Como integrar transparência e responsabilização nas medidas de enfrentamento a situações de emergência?

d. Como melhorar o compartilhamento de dados, aspectos de logística e manejo de crise?

9. COMPORTAMENTO HUMANO, PRÁTICAS CULTURAIS E SAÚDE MENTAL

Exemplos de perguntas de pesquisa:

a. Quais as repercussões psicossociais da pandemia na saúde mental e no bem-estar, em diferentes níveis e para diferentes segmentos sociais, e como lidar com elas?

b. O que significa ter que mudar o que fazemos sob condições novas e desconhecidas e como promover mudanças no comportamento coletivo?

c. Quais as características do comportamento da população em situação de pandemia, incluindo comportamentos pró-sociais, contraproducentes e outros?

d. Que estratégias podem ser usadas para distinguir entre pessoas com propensão a se engajar (ou não) em comportamentos de risco?

e. Que fatores estão associados a comportamentos de risco e quais são acessíveis ao manejo para sua redução (nos níveis individual e coletivo)?

f. Quais fatores podem estar envolvidos na percepção de risco e na percepção de consequências para adesão a medidas de prevenção e proteção (em níveis individuais e coletivos)?

g. Quais as implicações, para a saúde mental, que a pessoa saiba que transmitiu o agente da doença a outras e o que fazer?

h. Como promover a adesão coletiva a orientações de autoridades sanitárias sobre medidas protetivas, preventivas e de manutenção da segurança individual e coletiva?

i. Como podem o controle e a prevenção da infecção ser customizados para grupos de risco, situações específicas e condições epidemiológicas?

j. Que condições poderiam ser implementadas para favorecer a adaptação ao ambiente pós-pandemia (resiliência e modos de enfrentamento para o futuro)?

k. Considerando a pandemia como evento traumático, de longa duração, que estratégias de cuidado com a saúde mental deveriam ser implementadas, com relação a diferentes tipos de vulnerabilidades, incluindo o pessoal de saúde na linha de frente do enfrentamento à pandemia?

l. Que diretrizes para a saúde mental podem ser formulados para eventuais próximas pandemias ou eventos traumáticos de longa duração?

INTERAÇÕES ENTRE TEMAS/CONTEXTOS

Exemplos de perguntas de pesquisa

  • Como coordenar governo, agências, pesquisadores, agentes comunitários (entre outros) para conhecer os problemas e enfrentá-los de maneira organizada e eficaz?

  • Quais as relações entre aspectos demográficos e epidemiológicos e como incorporá-las no desenho de políticas públicas?

  • Como é possível promover a saúde mental da população integrada à proteção social e aos serviços básicos?

  • Que estratégias podem favorecer a formação de redes sociais de apoio para as comunidades: redes de relações pessoais, familiares e profissionais

  • Considerando a natureza de trânsitos entre redes, grupos e territórios, como rastrear, localizar, contatar e restringir a esfera de ação de potenciais transmissores da doença?

  • Como colocar tecnologias emergentes (e.g., ciência de dados; inteligência artificial) a serviço de respostas à epidemia?

  • Como "monitorar"/garantir a adesão a normas de boas práticas (ética) em pesquisa sob condições de emergência?

Anexo 2 – Instruções específicas sobre o uso do SAGe

É necessário que o Pesquisador Responsável pela proposta e os demais pesquisadores da equipe sejam cadastrados no sistema SAGe e confirmem sua participação na proposta. Recomendamos que isso seja feito com suficiente antecedência em relação à data limite de submissão.

(i) Pesquisadores que não possuem cadastro no SAGe devem inicialmente realiza-lo, acessando a página do SAGe no endereço www.fapesp.br/sage, clicando em Sem cadastro? e preenchendo os dados solicitados. Não basta apenas cadastrar-se como usuário, é necessário completar os dados cadastrais. O cadastramento também está disponível em inglês.

(ii) Pesquisadores já cadastrados devem realizar o login no SAGe com sua identificação e senha usuais para acessar o sistema.

Na página inicial do sistema (Home) selecionar, dentre as opções do menu “Acesso Rápido – Atividades do Pesquisador”, o link Nova Proposta Inicial.

O sistema disponibilizará na página seguinte o menu “Incluir Proposta – Selecionar Linha de Fomento”, selecionar no quadro Chamadas Vigentes:

COVID-19 > COVID-19 – Projeto de Pesquisa – Regular > Chamada de Propostas 2021

A partir daí incluir os dados solicitados em todas as abas, inclusive a lista de documentos a serem anexados.

Atenção para a obrigatoriedade de preenchimento de todos itens marcados com *. É necessário submeter a proposta ao final do preenchimento. Proposta salva não significa proposta submetida.

No caso de dúvidas, na página inicial do SAGe, pode ser usado o link Manuais e, na página Manuais, buscar esclarecimentos na lista Manuais de Apoio aos Pesquisadores.

IMPORTANTE:

Recomenda-se fortemente que o preenchimento da proposta no sistema seja realizado com bastante antecedência e que o pesquisador verifique periodicamente as pendências da proposta utilizando a opção

“Validar”

do SAGe. Isso pode ser feito repetidas vezes, à medida que a proposta for construída, permitindo que sejam tomadas, a tempo, as providências necessárias à submissão. Ao selecionar a opção “Validar”, o sistema SAGe apresentará as pendências impeditivas para submissão da proposta considerando os itens que foram inseridos. Em caso de dúvidas sobre a utilização do SAGe, além dos Manuais, a FAPESP disponibiliza ainda atendimento pelo serviço Converse com a FAPESP em https://fapesp.br/converse.


Página atualizada em 21/07/2021 - Publicada em 19/04/2021