English version

Cooperação Internacional

A FAPESP estimula os pesquisadores em São Paulo a desenvolverem colaborações em pesquisa com colegas de outros países.

Há um grande número de acordos com agências de fomento, instituições de pesquisa e empresas estrangeiras, para selecionar e cofinanciar pesquisas colaborativas. As oportunidades de financiamento relacionadas a cada um destes acordos são anunciadas no site da FAPESP (www.fapesp.br/chamadas).

De um modo geral, os acordos são de dois tipos:

a) Acordos oferecendo financiamento inicial (“seed fund”), principalmente para intercâmbio de pesquisadores e estudantes e para pequenos seminários. Neste caso, o parceiro estrangeiro é geralmente uma universidade ou uma instituição de pesquisa. 

b) Acordos que oferecem financiamento pleno para projetos de pesquisa selecionados em conjunto pela FAPESP e pela agência ou empresa parceira. Neste caso, o parceiro estrangeiro é geralmente uma agência de fomento ou um laboratório industrial de pesquisa. 

Os acordos facilitam a visibilidade das oportunidades para colaboração, mas não são condição necessária para que haja projetos em colaboração internacional.

Mesmo em situações em que não haja acordo firmado, pesquisadores em São Paulo interessados em realizar pesquisa em parceria com pesquisadores no exterior podem, a qualquer tempo, submeter propostas nas linhas regulares da fundação mencionando que seus parceiros no exterior estão buscando recursos para apoiar a colaboração e informando em que agência. Caso a proposta seja aprovada pela FAPESP, o pesquisador responsável pela proposta em São Paulo deverá apresentar documento comprovando que seu parceiro no exterior tem apoio institucional para desenvolvimento de sua parte do projeto.

SPRINT – São Paulo Researchers in International Collaboration foi concebido para estimular e promover o avanço da pesquisa científica por meio do engajamento dos pesquisadores vinculados a instituições de pesquisa do Estado de São Paulo com pesquisadores parceiros no exterior. Tem por objetivo oferecer financiamento para a fase inicial de colaborações internacionais em pesquisa com expectativas claras de que a próxima fase será a apresentação, pelos pesquisadores do Estado de São Paulo, de propostas de pesquisa nas linhas regulares da FAPESP para a continuidade da pesquisa iniciada no âmbito do SPRINT e consequente consolidação da parceria.

Além disso, os pesquisadores apoiados por bolsas ou auxílios da FAPESP são incentivados pela Fundação a desenvolver colaborações internacionais através dos seguintes instrumentos institucionais:

a) A maioria dos auxílios e bolsas concedidos pela FAPESP incluem recursos que podem ser utilizados, a critério do Pesquisador Responsável e de acordo com as regras da FAPESP, para a colaboração internacional na pesquisa.

b) A modalidade FAPESP de Auxílio à Pesquisa - Pesquisador Visitante concede apoio para pesquisadores estrangeiros, selecionados através de um sistema de revisão por pares. Em 2014, de um total de 311 propostas avaliadas, 244 foram financiadas. Estes auxílios abrangem salários e despesas de viagem para cientistas estrangeiros visitando colegas em instituições de ensino superior ou de pesquisa no Estado de São Paulo, por períodos de duas semanas a um ano.

c) Através da modalidade Bolsas de Pesquisa no Exterior (BPE), a FAPESP financia pesquisadores associados a instituições de ensino superior ou de pesquisa no Estado de São Paulo para estadias de um mês a um ano em instituições de pesquisa no exterior, bem qualificadas. O financiamento abrange bolsas e despesas de viagem. Em 2014, a FAPESP avaliou 226 propostas e aprovou 214.

d) O Programa Escola São Paulo de Ciência Avançada (ESPCA) apoia a organização de escolas de curta duração (1 a 3 semanas) visando recentes avanços científicos, organizadas em instituições de ensino superior ou de pesquisa no Estado de São Paulo. Normalmente, cada ESPCA reúne entre 50 e 150 doutorandos e jovens pós-doutores, metade estrangeiros, e de 7 a 20 eminentes palestrantes brasileiros e estrangeiros. Em 2013 e 2014 a FAPESP apoiou, respectivamente, 4 e 10 Escolas.

e) Através da modalidade dos Bolsa Estágio de Pesquisa no Exterior (BEPE), a FAPESP oferece a todos os seus bolsistas no Estado de São Paulo a oportunidade de passar de 4 a 12 meses como estagiários de pesquisa em destacados centros estrangeiros, trabalhando em um tema associado ao projeto de pesquisa no qual o candidato está inserido em São Paulo. Em 2014, a FAPESP avaliou 1.124 propostas e aprovou 999.